sexta-feira, 3 de novembro de 2017

The Silvery Boys tem disco relançado pelo selo Discobertas

No encantado mundo pop da Jovem Guarda, houve um rei, alguns príncipes e muitos plebeus como o grupo carioca The Silver Boys. Formado em 1965 no bairro carioca de Campo Grande, na periférica Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro (RH), esse quinteto nunca chegou a obter relevância no reino da Jovem Guarda. A ponto de ter ficado conhecido como "A famosa bandinha de Campo Grande". Mesmo assim, apadrinhado pelo compositor, radialista e apresentador de TV José Messias (1928 – 2015), o conjunto gravou discos com regularidade entre 1967 e 1968 pela extinta gravadora RGE.

Lançado há 50 anos, o primeiro álbum do grupo The Silvery Boys, estranhamente intitulado De com força... Pra frente (RGE, 1967), ganha a primeira edição em CD neste mês de outubro de 2017 pelo selo Discobertas. O título estranho reproduz gíria de Messias que nunca chegou a pegar.

No disco, aberto com a música O paquera (Carlos Imperial e Carlos Cruz), José Carlos, o Zezinho (trombone), Paulinho (pistom), Fernando Soares (guitarra), Paulo Sérgio (contrabaixo e guitarra) e Sérgio (bateria) gravaram algumas músicas autorais, casos de Gata selvagem (Fernando Soares), de Não Posso acreditar (José Carlos) e de Depois de você, ninguém (Fernando Soares). Mas as duas faixas que conseguiram alguma receptividade (sendo perpetuadas posteriormente em coletâneas) foram sintomaticamente as regravações de Coração de papel (Sérgio Reis, 1966) e Namoradinha de um amigo meu (Roberto Carlos, 1966), sucessos da Jovem Guarda no ano anterior.

Não por acaso, a famosa bandinha de Campo Grande logo sumiria na poeira da estrada sem deixar rastro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário